Captain Boy – Druida

“O druida do tempo quis contar-me uma lenda,
Mais velha do que a própria idade,
Tapou-me os olhos com a sua escura venda
E fez-me escutar a cruel verdade.
O tempo não passa, dizia o velho,
Quem passa são os Homens,
O tempo não passa, repetia o velho,
A história são mortos outrora jovens.
Eu calado escutava e cada vez mais desconfiava
Que era patranha esta lenda de engodo na palavra,
Mas o velho continuava convicto do seu enredo,
Já eu dispersara quando me contou o seu segredo:
“Se o tempo não passa não tenhas pressa então,
Escuta as minhas palavras e presta atenção,
Vive só um dia de cada vez e ensina ao tempo uma lição.”
Desapareceu de súbito o velho e fiquei só eu,
Desatei de imediato a venda que ele me deu,
E deparei comigo velho como o velho era,
Aprendi a lição da maneira mais severa,
Não era druida essa velho de aparência matreira,
Ladrão, deixou-me a venda e roubou-me a carteira.

João Humberto